Mitos da amamentação: descubra 8 deles e previna-se com dicas de aleitamento


Mitos da amamentação

O aleitamento materno é uma das melhores atitudes de amor que uma mãe pode ter com seu bebê. Amamentar envolve a possibilidade do seu filho ou filha se desenvolver com saúde – e de modo extremamente natural. No entanto, mesmo com os benefícios, alguns mitos da amamentação ainda impedem que as mães façam esse ato com mais frequência.

Segundo estudos da UNICEF, o aleitamento materno é uma dura realidade para a maioria das mães ao redor do mundo. E quando falamos da amamentação exclusiva, os números são alarmantes: somente 40% dos bebês recebem apenas leite em seus primeiros seis meses de vida.

Além da desinformação, os mitos da amamentação ajudam a afastar ou suavizar a importância do aleitamento materno. Da mesma forma, a rotina corrida dos grandes centros, onde a necessidade de trabalhar é bem grande, impedem que as mamães se dediquem com mais exclusividade para esse ato.

Então, é importante quebrar alguns mitos da amamentação para, assim, melhorar os números do aleitamento materno para permitir que mais bebês se desenvolvam de forma saudável ao redor do mundo e, principalmente, no Brasil. Continue lendo para conhecer 8 desses mitos, logo abaixo.

Mitos da amamentação #1: o aleitamento é fácil

Apesar de ser extremamente natural, não é possível dizer que amamentar é um ato extremamente fácil. É preciso técnica, cuidado e dedicação para alimentar seu bebê da forma correta. 

E é justamente com esse pensamento em vista que muitas mães acabam se afastando do processo de aleitamento, pois a realidade pode se mostrar mais complexa.

Mitos da amamentação #2: mamilos sensíveis e rachados são normais

Mais um dos mitos da amamentação, a presença de mamilos sensíveis, rachados e até machucados são uma realidade bem grande na vida das mães. No entanto, apesar de parecer normal, a amamentação correta não deve causar nenhum tipo de dor ou consequências físicas no corpo.

Portanto, é essencial aprender como segurar a criança corretamente durante o aleitamento, pois a maioria dos problemas na amamentação surgem, justamente, do mal posicionamento durante esse momento.

Mitos da amamentação #3: é preciso lavar os mamilos antes de amamentar

Outra informação divulgada de forma equivocada é o ato de lavar os mamilos antes do aleitamento materno. E isso não é preciso, pois a cada sessão de amamentação o bebê faz uso dos cheiros e sabores mantidos na vez anterior. 

Assim, a criação do vínculo entre bebê e mamãe é gerada e fortalecida durante todos os meses da amamentação. E isso ajuda a criança a ficar, exclusivamente, se alimentando do leite materno.

Mitos da amamentação #4: a alimentação simples é obrigatória

Os mitos da amamentação são tantos, que muitas mulheres acabam tomando atitudes equivocadas e que, dessa forma, comprometem o fornecimento de leite para o bebê. E a alimentação da mãe é um desses casos.

Durante todos os meses – e com sorte, anos – do aleitamento materno, tanto a mamãe e o bebê precisam do máximo de nutrientes e vitaminas em seu corpo. Assim, toda mãe precisa de refeições equilibradas, com todos os tipos de alimentos, para fortalecer sua produção de leite e, principalmente, manter a saúde estável.

Portanto, é importante ficar atenta com a alimentação, mas, de forma geral, o equilíbrio é essencial nesse momento.

Mitos da amamentação #5: exercícios mudam o sabor do leite

Da mesma forma que a alimentação equilibrada é fundamental para a saúde da mamãe, os exercícios também são importantes para manter o corpo funcionando plenamente. Dessa forma, uma das dicas de amamentação para todas as mulheres inclui a prática ativa de exercícios.

Com o corpo bem alimentado e funcionando como o esperado, é possível que a mamãe perceba uma capacidade maior de aleitamento, o que vai ajudar diretamente no desenvolvimento do seu filho ou filha.

Imagem de StockSnap por Pixabay

Mitos da amamentação #6: nunca amamente se estiver doente

Esse item também entra na lista dos mitos da amamentação que não devem ser levados totalmente a sério. Com o devido cuidado, além de acompanhamento médico, é possível amamentar mesmo com a presença de algumas doenças.

Por sinal, os anticorpos criados durante essa fase podem ser transferidos para a criança, o que ajuda a fortalecer o sistema imunológico e, dessa forma, possibilitar que sua saúde fique ainda melhor.

Mitos da amamentação #7: bebê amamentado precisa tomar água

E a lista de mitos da amamentação não para de crescer. Portanto, é essencial se informar para evitar qualquer atitude que prejudique esse processo de alimentação do bebê. No caso dos líquidos, todas as necessidades do corpo da criança são atendidas apenas pelo recebimento do leite.

Ou seja, não é necessário dar água, sucos ou chás para seu filho ou filha, pois o leite materno cumpre, exatamente, essa função de completa hidratação corporal.

Mitos da amamentação #8: o leite de algumas mulheres é fraco

Esse é um dos maiores – se não o maior – dos mitos da amamentação: a informação de que alguns leites são “fracos”. E isso não é verdade em nenhum caso, pois o corpo humano possui a capacidade de fornecer todas as necessidades proteicas, por meio de nutrientes e anticorpos, em todas as mulheres.

Portanto, o leite materno exclusivo, até os 6 meses, é suficiente para manter o bebê em crescimento saudável – após esse período, a introdução de alimentos pode acontecer normalmente. E nesse ponto, a importância da amamentação é tanta, que ela deve ser mantida, segundo recomendações da Organização Mundial de Saúde, até os dois anos.

Quer conhecer mais dicas de amamentação? Então, confira o vídeo abaixo:

Dicas que ajudam na amamentação. Fonte: Canal Juliana Goes.

Ficando longe desses mitos e fazendo uso das boas práticas de amamentação, seu bebê irá crescer saudável, forte e preparado para se desenvolver da melhor forma possível, seja na saúde física e mental. Aproveite!

Sobre a OnDoctor

A OnDoctor é uma plataforma de Telemedicina que disponibiliza orientações de saúde por videoconferência. Nossa missão é conectar os melhores profissionais da saúde com pacientes de qualquer lugar do Brasil com segurança e qualidade.